15 de fevereiro de 2011

Sarcasmo Sincero.

Suspiro lento e sorriso irônico.

― Há quanto tempo, Raktavash.
― Pois é.
― Hoje é a trabalho.
― Faça-o bem feito, então.
...
― Fuma?
― Não muito.
― Bebe?
― O suficiente.
― Conceito de ser humano?
― Lixo.
― O que é amor para você?
― Não posso responder. Nunca senti.
― Ódio?
― Também não.
― Prazer?
― Passado. Disfarço com meus vícios.
― Um gênio?
― Albert Einstein... Ou Adolf Hitler.
...
― Uma bebida?
― Vodka.
― Um personagem?
― Coringa.
― Por que matou o homem com quem estava compromissada?
― Não queria vê-lo sofrer.
― Se odiava tanto seus pais, por que não os matou?
― Eles não merecem o privilégio de morrer tão cedo. Têm que sofrer mais.
...
― Diagnóstico de sempre.
― Já imaginava.

Levantou-se e deu as costas para ele. Suas algemas estavam abertas, o sorriso novamente em seus lábios e o sangue em suas mãos.

5 comentários:

  1. Raktavash é, para mim, o que muitas pessoas repreendem dentro de sí, o medo de ser e fazer acontecer.
    Ótimo texto... Perfeito.

    ResponderExcluir
  2. Me impressiona a tua habilidade com as palavras Nah *-* Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Consigo mentalizar perfeitamente o sorriso sarcastico da personagem.

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que forte!
    Eu também imaginei o sorriso no rosto =x
    Gostei do teu blog, estou seguindo (:
    Dá uma olhadinha no meu se der, e se gostar é só seguir rs ;*

    http://umamor-demenina.blogspot.com/

    ResponderExcluir